Mais de 100 pessoas já foram presas em 10 estados durante operações de combate à facção criminosa

Por ASCOM às 28/07/2020 18:10

Operações cumpriram 216 mandados de busca e prisão em um único dia

Texto de Vanessa Siqueira

Realizadas de forma simultânea e com o objetivo de combater a atuação da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) no país, as operações Flashback II, Damas do Crime, Retomada e NJÖRD já prenderam, nesta terça-feira (28), uma centena de pessoas ligadas ao crime organizado no país. Nesta fase da ação, um dos focos foi combater o núcleo composto de mulheres.

A Operação Flashback II é fruto de investigações realizadas pela Secretaria da Segurança Pública, as Polícias Civil e Militar e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público de Alagoas. O Ministério da Justiça e Segurança Pública  (MJSP) e a Secretaria de Operações Integradas (SEOPI) colaboraram com as ações. As investigações tiveram início em abril do ano passado e mapearam a atuação da facção criminosa em Alagoas e em outros estados. Paralelamente, a Polícia Federal, vinha investigando pessoas ligadas ao grupo criminoso, originando assim a operação NJÖRD.

As operações cumpriram 216 mandados de busca e apreensão e de prisão em 71 municípios localizados em 11 estados brasileiros. No Nordeste, a operação abrangeu oito estados, onde foram cumpridos 179 mandados judiciais. Em Alagoas, 101 mandados de busca e apreensão e de prisão foram expedidos. Destes, 80 foram somente na capital. Deste total, 40 alvos são mulheres, sendo que 04 já estavam presas. Do quadro masculino, 172 no total, 53 já cumprem pena.

Até o momento, a operação contabiliza 108 prisões, sendo 43 em Alagoas, quatro na Paraíba, 14 no Ceará, uma na Bahia, uma no Paraná, uma em Minas Gerais, duas em São Paulo, 14 no Mato Grosso do Sul, 16 em Pernambuco, 12 em Sergipe e uma no Piauí.

O procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE), Márcio Roberto Tenório de Albuquerque, agradeceu ao empenho de todos que contribuíram para o êxito da operação e também parabenizou a participação dos demais estados, que deram o apoio necessário. Ele disse que as operações deixam claro para a população de todo o Brasil que suas forças de segurança e o Ministério Público estão atentos ao que ocorre nessa área no país e combatendo diuturnamente a criminalidade.

O secretário da Segurança Pública de Alagoas, Lima Júnior parabenizou os integrantes das forças policiais e órgãos envolvidos com o objetivo de combater o crime organizado no país. Ele relembrou que a Operação Flashback iniciou as investigações em abril do ano passado e deflagrou o cumprimento desses mandados em novembro do mesmo ano. Logo em seguida, iniciou-se a investigação referente à segunda fase, que culminou com a operação integrada realizada hoje.

“Eu sempre defendo que a integração é o caminho e a força é a união. Se nós não estivermos falando a mesma linguagem, não iremos vencer o crime organizado. Não é fácil prender e cumprir uma quantidade de mandados como estamos fazendo nesta segunda fase em um único dia e em 11 estados diferentes”, afirmou.

O Major Daniel Jatobá, comandante do 8º Batalhão da Polícia Militar, explicou que o foco principal da operação, foi combater o Núcleo denominado Damas do Crime, tentando assim desarticular uma vertente que vem ganhando cada vez mais força.

As operações deflagradas hoje resultaram nas prisões de mulheres integrantes da facção criminosa, com perfil violento, que determinavam execuções e outros crimes em vários estados do país. Um dado que reforça o crescimento de mulheres no crime é o número de alvos mulheres na primeira fase da operação, apenas sete, e o quantitativo da segunda fase da operação, que saltou para 39, um aumento de 557%.

“As mulheres iniciaram no PCC em 2006, após uma rebelião ocorrida em um presídio no estado de São Paulo, quando a liderança da facção constatou a necessidade de recrutar mulheres para o grupo, a fim de cumprir determinadas tarefas. No início elas transportavam drogas e mensagens para os presídios. Com o passar do tempo, a cúpula do PCC viu a necessidade de ter mulheres faccionadas também nos presídios femininos e daí elas começaram a ocupar cargos de chefia”, disse.

O Oficial destacou ainda que todos os presos na operação Flashback tiveram material genético colhido para que estas informações possam integrar o Banco Nacional de Perfis Genéticos, uma inovação em operações.

O diretor da Divisão Especial de Investigações e Capturas (Deic), delegado Gustavo Henrique, explicou que já vinha monitorando o núcleo feminino da facção e observou o aumento no número de mulheres recrutadas. Ele chamou a atenção para o envolvimento de mulheres comandando os chamados tribunais do crime, onde pessoas, de facções rivais ou não, são executadas de forma sumária.

“O núcleo delas na facção é igual ao masculino. Todas as funções e hierarquia estão presentes nos núcleos onde há somente homens, inclusive com o mesmo poder de decisão, de dar ordens e a prática de crimes”, ressaltou.

O delegado Gustavo Gatto, da Polícia Federal em Alagoas, explicou que a PF vinha recebendo diversas informações sobre a atuação da facção criminosa em Alagoas e que a partir de então se deu início a investigação que culminou com a operação NJÖRD.

“Em razão dessa simbiose que vem sendo construída ao longo dos anos, começamos a fazer as investigações, identificando os traficantes locais, os indivíduos residentes em São Paulo que eram responsáveis pela logística do transporte da droga e recebimento dos valores. Também identificamos aqueles que adquirem as drogas em Mato Grosso do Sul, além de constatar contas bancária que eram usadas para movimentar o dinheiro fruto da venda de drogas em Alagoas. Tudo foi produzido dentro do inquérito que instauramos só mostra a lesividade e periculosidade do grupo criminoso apresentado. Durante três meses de investigação acompanhamos três homicídios em Alagoas, além de apreender meia tonelada de droga no Mato Grosso”, afirmou.

Participaram da coletiva virtual o comandante do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), tenente-coronel César Monte, o delegado Carlos Monteiro, coordenador-geral de Combate ao Crime Organizado da Secretaria de Operações Integradas (SEOPI), os promotores de justiça Marta Bueno e Hamilton Carneiro, componentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), o presidente nacional do Grupo Nacional de Atuação de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC), promotor Gilberto Martins, e o superintendente da Secretaria de Ressocialização, Milton Pereira.

 

 

Estado de Alagoas
Secretaria de Estado da Segurança Pública

R. Zadir Índio, 213
Centro, Maceió/ AL
57020-480

Copyright @2020
Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por TI/SSP AL